Das coisas que poderiam ter sido...


Hoje foi uma daquelas noites meio estranhas, em um mundo paralelo teria sido um belo jantar em família! Não que não tenha sido, mas vocês vão entender meu ponto, já já...

Os personagens: meus pais, uma das minhas irmãs e aquela que poderia ter sido a Sra. Latinha. O local, aquele famoso restaurante italiano que já foi cúmplice de vários momentos da minha vida...

Bom... não lembro se já falei disso aqui no bloguinho e, se falei, deve ter sido de forma "meio egípcia", então vale a pena começar dizendo que houve uma época em que eu tinha um interesse sincero por meninas! Sim, dorme com um barulho desses Brazell!!! Inclusive, tem uma piadinha "sem graça" que rola aqui em casa, que foi por conta dessa menina não ter aceito meio convite para namorar que eu acabei indo descobrir "novas cores" ... kkkk

Resumindo uma longa e bonita história de amizade, nos conhecemos na escola. Eu era "o novato" na escola, ela já era "da casa", uma Japinha de cabelos negros lisos, olhos amendoados e muito inteligente (pleonasmo, kkk). Não lembro ao certo como nos conhecemos, mas fomos colegas de turma durante alguns anos do ensino médio, em algum momento... ela já frequentava minha casa, eu a casa dela... foi com ela que fui no cinema "acompanhado" a primeira vez. Nem sobre tortura eu conto o filme... 

Dando início a uma saga que iria se repetir algumas vezes... nunca pude me esquecer de um dia em que ao chegar para uma reunião na escola e encontrar sua mãe, fui cumprimentá-la, como manda a boa educação. Ao responder negativamente a sua indagação sobre a presença da minha mãe na reunião, ela se vira e dispara a queima roupa: Se eu soubesse que era você que vinha eu tinha falado para Ela vir. Yes, baby! Minhas "quase-sogras" geralmente me amam, pena que os respectivos/respectivas nem tanto! (mas isso é outra história).

Aquele "terceiro" ano selaria nossos "destinos"... primeiro, no início do ano, ela foi convidada para participar de um projeto piloto na época, o que envolvia sua mudança para uma outra escola. Por uma burocracia, eu acabei ficando na mesma escola (mas que conste dos autos que eu tinha nota para ir também...), ainda assim, nosso contato nunca acabou... Mas, no meio daquele ano, eu me mudaria novamente para São Paulo... ela foi a última pessoa de quem me despedi antes da mudança...

Nos reencontraríamos no final daquele ano, assim como algumas vezes nos anos que vieram... Ela acabou indo cursar faculdade no Paraná, eu em Campinas e ainda que cada um de nós tenha seguido seu rumo, nunca nos perdemos de vista. 

Hoje ela mora na mesma cidade que meus mais e frequentemente nos vemos, temos amigos em comum e, frequentemente estamos todos reunidos, os encontros são sempre muito bons. A família dela ainda me adora [kkk], sua sobrinhas me chamam de "Tio" e, para completar, usam o apelido de escola e que só ela hoje em dia ainda se lembra... Minha família por sua vez, também a adora de paixão, minha irmã e ela são grandes amigas e é engraçado vê-la chamar meus pais por apelidos carinhosos.

Temos a mesma idade e tecnicamente estamos ambos solteiros, assim... não raro, algumas pessoas ainda querem "nos casar"... isso já rendeu algumas histórias  bem engraçadas...

Hoje, aproveitando que estou visitando meus pais, acabamos tomando um café juntos, ao final.. convidei-a para jantar conosco, na famosa cantina que é nosso restaurante preferido... A noite foi mega agradável, conversas, histórias e risadas foram fartos em nossa mesa. Já em casa, olhando as fotos no celular, vi uma daquelas fotos com todos juntos, Era praticamente uma foto "de família"...

É... teríamos sido uma bela família! ;)

Uma última lembrança - Muitos anos depois, já não eramos mais 2 adolescentes... eu decidir falar com ela sobre os meu sentimentos ou melhor, dos sentimentos que tive por ela... acho que na tentativa de fechar aquela história para mim. Lembro que fiquei esperando-a na casa da irmã dela... chovia no dia... nervoso que só, devo ter falado mil palavras por segundo, lembro da sua cara meio assustada sem saber o que fazer, eu não sabia o que fazer... Apenas falei e fui embora em direção ao meu carro... tremendo pela chuva gelada, pelo nervoso...

Eu não sei se era para ser ou se perdemos "nosso momento"... De qualquer forma, uma grande amizade ficou, aliás... se considerarmos que desde então, quase 20 anos depois, independentemente do papel assumido nessa relação, um sempre quis e torceu pelo bem e o sucesso do outro... acho que podemos dizer que o amor venceu! :)

Das coisas que poderiam ter sido...

e que são só minhas...

Rick Astley - Hold me in your arms

PS - Essa música estava em um disco de vinil que ganhei de presente de aniversário dela, a long time ago... kkkk

3 comentários:

Paulo Roberto Figueiredo Braccini . Bratz disse...

Todos temos nossas histórias do que poderia ter sido ... sempre ... acho que o que não foi era para não ter sido mesmo ...

Leo Natura disse...

Bom, eu, particularmente, nunca tive nenhuma dúvida sobre do que eu gosto ou não. Então, nunca houve a mínima possibilidade de namorar alguma antiga amiga (do sexo feminina).
Apesar de que, quando eu tinha uns 10 ou 11 anos, tinha uma garota da minha idade que cismava que me queria. Eu até mantive uma relação de amizade com ela por alguns anos. Aí eu acho que a ficha dela caiu.

Luiz Carlos Lucas disse...

Perdestes uma boa chance de deixar seu lado hetero aflorar... rs

Postar um comentário